BLACK FRIDAY: ON | Envios gratuitos para Portugal Continental em encomendas superiores a 150€

Quase todas nós esperamos pelo momento em que chegamos a casa, descalçamos os saltos e trocamos as roupas justas que usámos durante o dia pelo nosso pijama de eleição.

Especialmente no momento atual, tudo aquilo que procuramos é algo que ajude a simplificar a vida e que, da mesma forma, lhe acrescente um elemento de tranquilidade e conforto. A nossa busca por este último só termina quando deslizamos entre os lençóis, sem sentir o peso das roupas que, por norma, o dia a dia nos obriga a usar.

E quando o corpo implora por libertação, um tecido respirável e leve pode fazer toda a diferença. No entanto, a forma como escolhemos as roupas confortáveis que usamos depende da nossa sensibilidade interior.

Por trás do conforto

A comodidade do vestuário pode ser definida por fatores internos (saúde, nível de atividade e taxa metabólica de uma pessoa) e por fatores externos (temperatura ambiente e influências culturais e sociais). As roupas que usamos dependem dos desejos que nos caracterizam e a compra de determinada peça pode ser influenciada por fatores como a necessidade ou a estética. Porém, independentemente do motivo que leva a essa aquisição, o conforto será sempre um requisito chave no jogo da moda.

Mas, afinal, o que define o conforto? Trata-se de uma questão complexa, pois aquilo que é confortável para determinada pessoa, não é para outra. Ainda assim, pode dizer-se que o que define esta sensação é a presença de satisfação, indicando o equilíbrio psicológico e físico de um indivíduo.

A sensação de um tecido na pele é de extrema importância. As decisões de compra das pessoas dependem muito do toque e da sensação que um tecido proporciona – as pontas dos dedos são suficientes para sentir a maciez, a suavidade, a elasticidade, a sensação de calor ou de frio e a transparência. E tudo isto tem um peso na forma como nos sentimos.

Do mesmo modo, existem alguns desconfortos sensoriais que podem ser identificados de forma vívida. O uso de tecidos ásperos e rígidos e a aderência húmida de algumas peças devido à viscosidade de resíduos de suor na pele são duas das principais razões para criar desconforto ao usar determinada roupa.  

O impacto das roupas no nosso humor

Usarmos pouca roupa pode mudar o nosso humor por completo. O minimalismo é considerado uma forma de felicidade, de saúde e de produtividade. Assim, de acordo com os defensores da filosofia de que o «menos é mais», a simplicidade no armário, muito provavelmente, irá estender-se a todas as outras áreas da sua casa e da sua vida, já que quando decidimos aproveitar os benefícios de nos vestirmos com menos peças de roupa, começamos a questionar-nos cada vez mais, tentando entender como pode essa atitude contribuir para uma vida mais próspera.

Se pensarmos bem, o pijama simboliza exatamente isso: pouca roupa, leveza, conforto e aconchego. E tudo isto pode transformar por completo a nossa disposição.

Mudar de pijama pode fazer toda a diferença no seu estado de espírito

Cuidar de si e sentir-se bem, todos os dias – e todas as noites – não significa, apenas, comer bem e fazer exercício físico. Também significa encontrar gestos simples que lhe permitam alcançar essa plenitude. A surpresa é que tudo isso pode resumir-se a apenas uma ação: usar um pijama novo.

É normal que, ao fim do dia, esteja demasiado cansada para se preocupar com a roupa que irá vestir para ir dormir. Porém, se tiver apenas de adornar o seu corpo com um novo e aconchegante pijama, tudo pode tornar-se mais fácil.

Por vezes, sentir-se bem por dentro vem de parecer bem por fora. Usar a camisola da pessoa amada ou as roupas que vestiu no dia anterior para ir dormir não abona muito a favor da sua autoestima, nem tão pouco ajuda a inspirar pensamentos e comportamentos românticos, caso esteja a dormir acompanhada.

Modificação comportamental

Usar algo macio e confortável também pode ser sexy. E mesmo que esteja demasiado cansada – até para tirar a maquilhagem e escovar os dentes – deixe a inércia e os pensamentos negativos sobre o seu dia de lado e prefira vestir um pijama que a faça sentir-se bem (já que vai ter de mudar de roupa antes de saltar para a cama, pode tornar esse momento mais gratificante, tendo exatamente o mesmo esforço).  

Mudar o comportamento é poderoso. Hábitos saudáveis geram hábitos ainda melhores, e a confiança gera mais confiança. O mesmo é válido para o momento em que todas as luzes se apagam para que possa descansar.

Lembre-se de que todas nós precisamos de encontrar algo que nos faça sentir fabulosas – mesmo na cama. Quanto melhor dormirmos, maior será a probabilidade de que o dia seguinte corra bem e seja frutífero. Ofereça a si mesma um novo pijama e permita que este a deixe mais feliz na hora de fechar os olhos.


Conheça a primeira coleção de pijamas FREDERICA.

A primeira linha de homewear da Frederica apresenta um conjunto de cinco pijamas, todos eles confecionados em Portugal e feitos através do reaproveitamento de tecidos, evitando o stock morto. Temos cinco modelos intemporais à sua disposição, ideais para investir no seu conforto dentro de casa, através de uma paleta de cores feminina e descomprometida.
Pode adquirir o seu, através das ligações abaixo.

Related Posts