Tudo o Que Está Errado na Indústria da Moda

Atualmente, produz-se mais 400% de peças do que se produzia há 20 anos; a maioria das mulheres usa apenas 20% a 30% das roupas dos seus armários; a cada ano, são produzidos 80 biliões de produtos de vestuário; as marcas passaram a lançar 52 coleções cápsula por ano, deixando para trás as convencionais duas coleções. Se estes números não foram o suficiente para a deixar surpreendida, temos um outro facto para lhe apresentar: em média, só usamos uma peça de roupa sete vezes, antes de a deixarmos de parte.

O fast fashion tem vindo a tornar-se num verdadeiro monstro nos nossos armários. A queda dos preços das roupas nos últimos 20 anos tem-nos permitido comprar cada vez mais vestuário – agora, temos cinco vezes mais roupas do que os nossos avós tinham. Até aqui, tudo bem. O lado negro da situação vem quando descobrirmos o que está por trás desta tendência.

Na realidade, esta acumulação contínua de roupas muito acessíveis só é possível devido a uma redução constante dos custos de produção, algo que, por sua vez, tem sérias consequências que se refletem na nossa saúde, no nosso planeta e na vida de quem trabalha na produção do nosso vestuário.

O Que é o Fast Fashion?

O Fast Fashion consiste numa produção em massa de roupas muito económicas e descartáveis. As inúmeras novas coleções lançadas por ano fazem com que nos sintamos constantemente desatualizadas e incentivam-nos a continuar a comprar cada vez mais. Também por esse motivo, hoje torna-se um desafio usar a mesma peça mais do que cinco vezes, não só porque a qualidade das roupas tem vindo a diminuir, deixando-as desbotadas, sem forma e gastas, mas também pelo sentimento constante de que temos de saber acompanhar as tendências.

Podemos mudar esta situação?

Efetivamente, a indústria da moda é a segunda maior poluidora do mundo, ficando apenas atrás da indústria do petróleo. Assim, inevitavelmente, os danos ambientais estão a aumentar à medida que a indústria cresce. No entanto, existem soluções e alternativas para mitigar estes problemas, e o primeiro passo consiste em criar consciência e vontade de mudar.

O vestuário que adquirimos tem vindo a tornar-se cada vez mais descartável e, como resultado, geramos cada vez mais resíduos têxteis. As fibras sintéticas, como o poliéster, são fibras plásticas (portanto, não biodegradáveis) ​​e podem levar até 200 anos para se decompor. Estas são utilizadas em 72% das nossas roupas.

Assim, no que toca aos nossos hábitos de consumo, podemos e devemos:

  • Comprar menos roupa;
  • Fazer compras de produtos de qualidade superior e, dessa feita, que apresentem uma maior durabilidade;
  • Fazer a reciclagem dos têxteis;
  • Escolher fibras naturais ou semissintéticas.

Moda sustentável, um caminho a seguir.

Aparentemente, não existe uma definição comum de moda sustentável. A Green Strategy, consultora sueca que ajuda empresas da indústria da moda e têxtil a desenvolverem-se, afirma que o cariz ecológico da moda pode consistir em roupas, calçados e acessórios fabricados, comercializados e usados ​​da maneira mais sustentável possível, considerando todos os aspetos ambientais e socioeconómicos. Isto implica um trabalho contínuo para melhorar todas as etapas do ciclo de vida do produto: o design, a produção da matéria-prima, a fabricação, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a venda final, o uso, a reutilização, a reciclagem do produto e as suas componentes.

Do ponto de vista ambiental, o objetivo deve ser minimizar qualquer efeito ambiental indesejável do ciclo de vida do produto, garantindo o uso eficiente e cuidadoso dos recursos naturais (água, energia, terra, solo, animais, plantas, biodiversidade, ecossistemas, etc.), selecionando fontes de energia renováveis ​​(eólica, solar, etc.) em todas as fases e maximizando a reciclagem e reutilização do produto e dos seus componentes.

Ao mesmo tempo, ainda de acordo com a Green Strategy, é imperativo melhorar as condições atuais de trabalho dos trabalhadores no campo, nas fábricas, na cadeia de transporte e nas lojas.

Uma das principais responsabilidades das empresas de moda é mudar as suas práticas e estratégias de produção, de distribuição e de marketing, a fim de atingirem uma maior sustentabilidade.

Uma das soluções pode passar pela criação de moda de alta qualidade e com um design intemporal, ou seja, seguir um registo mais concentrado na durabilidade do produto; outra opção consiste em fabricar roupas com tecidos certificados (de acordo com rótulos ambientais), sendo também esta uma estratégia válida para promover padrões de consumo mais conscientes.

Ler Mais
Scroll to Top

Alerta para atrasos das
entregas devido ao COVID-19

Todas as nossas encomendas são processadas com o maior cuidado. Devido à situação actual em que nos encontramos, os nossos prazos de entrega passam a corresponder a 5-8 dias úteis para Portugal Continental e Ilhas. Encomendas para o resto do mundo demorarão 10-15 dias úteis. Agradecemos a sua compreensão. E enquanto a sua encomenda não chega… aproveite para ir lendo os nossos artigos.