Será que o sexo oral é totalmente seguro? A palavra «totalmente» é algo que não se aplica neste caso em concreto. Segundo a maior parte das pesquisas efetuadas na área da sexualidade, as doenças sexualmente transmissíveis são geralmente transmitidas por meio de uma relação sexual convencional (vaginal ou anal), mas a verdade é que existe também a possibilidade de contrair uma patologia deste tipo através do sexo oral.

Nunca é demais reforçar a importância do uso do preservativo, que é a única forma de os riscos se reduzirem e de a transmissão de doenças poder ser cancelada. É importante usar este método em todos os casos e também da maneira correta, sendo igualmente recomendável que sejam efetuados testes regularmente (mesmo que tenhamos um relacionamento de longa data). Um contacto de pele com pele entre os órgãos genitais pode ser suficiente para que uma doença deste calibre seja transmitida ao parceiro. Por isso, estes riscos estão também presentes numa atividade sexual oral – e, a bem da verdade, em todas as atividades sexuais que restam.

A solução? Mais uma vez, a mesma de sempre: o uso do preservativo.

Doenças como a clamídia, a gonorreia, o HSV, a sífilis (uma das mais graves), o HPV (que não tem cura e que se pode manifestar sob a forma de 120 vírus diferentes) e o HIV (que é também incurável) podem ser transmitidas através da prática de sexo oral, embora seja algo mais comum na prática da relação sexual propriamente dita, como mencionado anteriormente.

O HIV, por exemplo, é transmitido entre duas pessoas quando o fluido (sangue, sémen, fluido pré-ejaculatório, leite materno, fluido retal ou fluido vaginal) de um dos indivíduos entra em contacto com a corrente sanguínea da outra pessoa. Assim, não é muito comum que esta doença se contraia através de sexo oral, de acordo com Janet Brito, terapeuta sexual americana. Porém, ainda é possível que aconteça.

Os riscos de vir a sofrer de uma doença deste tipo variam com base na possibilidade de se receber ou de se dar sexo oral. Se determinado indivíduo for portador do vírus, este poderá passar mais facilmente para a outra pessoa, que administra o ato. Ejaculação, feridas/ cortes ou menstruação são fatores de risco significativos. No caso da ejaculação, por exemplo, para reduzir a possibilidade de doença, o melhor será tentar perceber a altura em que esta acontece, para que se evite, então, o contacto com a boca.

Para prevenir, deveremos usar um preservativo diferente para cada ocasião – e em todas as ocasiões, especialmente nas várias fases do ato; não fazer sexo oral em caso de feridas ou de cortes; fazer testes regularmente (pelo menos uma vez por ano) e cuidar da nossa saúde bucal (dentes e gengivas), para prevenir o risco de sangramento e infeções orais e evitar possíveis transmissões de vírus. Um conselho básico, mas não menos importante? Evitar ter muitos parceiros sexuais e tentar perceber qual a situação do companheiro a este nível, para que se possa proteger da melhor forma. E se gostaria de experimentar algo completamente seguro, encontre, abaixo, o simulador de sexo oral, disponível na nossa loja.

Ler Mais
Scroll to Top

Alerta para atrasos das
entregas devido ao COVID-19

Todas as nossas encomendas são processadas com o maior cuidado. Devido à situação actual em que nos encontramos, os nossos prazos de entrega passam a corresponder a 5-8 dias úteis para Portugal Continental e Ilhas. Encomendas para o resto do mundo demorarão 10-15 dias úteis. Agradecemos a sua compreensão. E enquanto a sua encomenda não chega… aproveite para ir lendo os nossos artigos.