Mãe, Deusa das Multitarefas

Não queremos que este artigo seja, apenas, “mais um” dentro de muitos. Queremos que daqui leve dicas, sim, mas de forma generalista porque o que desejamos, de facto, é que entenda que mais não consegue fazer. Pode é fazer de forma diferente.

É verdade! As estatísticas assim o dizem. E mais: afirma-se que não existem mães perfeitas! Existem, apenas, aquelas que se conseguem aproximar (fazer e ser) daquilo que, supostamente, é o melhor para os seus filhos. Por isso, parabéns! Já deu o primeiro passo, ou revelou a primeira pista em como tem tudo para ser boa mãe! Porque os primeiros sinais são estes: abrir-se à temática, a outras opiniões, tal como ler artigos como este.

Este “multitrabalho” de ser Mulher, Mãe, Profissional e Esposa/Companheira é das “acrobacias” maiores que existem no mundo. Provavelmente não era suposto que ficássemos tão sobrecarregadas mas foi, e é, uma opção que, de momento, não conseguimos “substituir” ou “anular”. Porque, bem lá no fundo, até gostamos de fazer tudo isto.

Porém, este “ser tudo”, dar “conta” de tudo, muitas vezes, é absolutamente impossível de se concretizar da forma como sonhávamos. Alguma coisa tem de ficar para trás. E, o maior problema é que o que fica para trás, para a mãe que ama de verdade, é ela própria. Só que isso não devia ser assim tão meritório como às vezes parece, porque de saudável não tem nada.

Como tal, saiba, segundo as “últimas novidades” vindas dos grandes estudiosos sobre a temática, o que deve, mesmo, começar a ter em conta para gerir melhor esta “multitarefa” tão grande. Algumas diretrizes são muito óbvias e já as conhece bem. Não obstante, servem para que recorde e comece a atuar!

  • Antes de Ser Mãe é um Ser Humano! – CUIDE DE SI! Estima-se que, mais ou menos, só depois dos dois anos de idade da criança a mãe volte a cuidar mais dela própria. Não pode ser! Tem de voltar a cuidar da sua parte física e mental o mais rapidamente possível para reduzir os riscos de depressão acentuada e/ou estados de ansiedade mais graves! É que, quer queira ou não queira, só conseguirá ser “boa mãe” se estiver bem;
  • Delegue Tarefas e Habitue-se a Pedir Ajuda! – Muitas mães acham que só elas “sabem fazer” bem as tarefas. Não é verdade. Estudos indicam que, muitas vezes, o que acontece é que as outras pessoas não fazem “igual” à mãe ou demoram mais tempo. Não faz mal, de vez em quando, uma fralda ficar um pouco mais torta, pois não? Aceite isso e delegue tarefas! Deixe de se julgar incapaz só porque está a solicitar auxilio! Está provado que a mãe que pede ajuda tem muito mais sucesso! (Como é de esperar). Só tem de pedir a ajuda certa, com calma e racionalidade, seja ao marido nas atividades domésticas, seja aos colegas no trabalho (leia o texto sobre o Burnout, neste site), etc. Caso contrário, não consegue fazer o que tanto sonha: “fazer” tudo da melhor maneira possível;
  • Páre de se Culpar! – A mãe tende a culpar-se constantemente, ora porque não consegue “chegar a todo o lado” mas acha que devia conseguir, ora porque o filho está uma “peste” e “errou decerto em algo”, etc. Aconselha-se que deixe de perder tanta energia em culpabilizações e a canalize para possíveis soluções: “O que posso fazer para que, da próxima vez, corra melhor?” ou “Sozinha não consigo, é melhor falar com algum profissional competente para o efeito”, etc.;
  • Diga “Não” e Explique Porquê – A comunicação tem sido muito falada também neste tema. Deixe de ter receio de dizer “não”, tanto aos filhos, como ao marido ou à colega. Um “Não” bem explicado, sem ser só porque “sim” e sem ser a “gritar”, tem ajudado imenso nos relacionamentos. Se explicar porque está a dizer que não, a maioria das vezes vai ser bem entendida, inclusive pelos seus filhos: “Se a mãe comprar esse jogo depois não vai ter dinheiro para comprar a comida. O que comerias ao jantar? O jogo? Não conseguirias, pois não? Entendes agora, filho?”;
  • Por Dia, Dedique aos Filhos 15 Minutos de Absoluta Atenção! – Está provado que depois de um dia de escola os filhos estão a precisar, imenso, da atenção dos pais por mais que o dia lhes tenha corrido bem. E, depois de algumas experiências nesse campo concluiu-se que, a primeira coisa que deve tentar fazer no primeiro encontro “após” escola, é pôr de lado o telemóvel, sacos de compras, conceção do jantar, etc., e dedicar-lhes 15 minutos da sua plena atenção. Sabe quando nós estamos a falar com alguém e sentimos perfeitamente que a outra pessoa está a pensar noutras “coisas” ao mesmo tempo e a sua atenção está só em metade ou um quarto sobre nós? É frustrante, não é? Pois. Tanto as crianças como os adolescentes sentem imenso quando tal acontece.

Porém, também sentem o contrário! Portanto, se durante 15 minutos estiver “ali” de “corpo e alma”, tentando saber, harmoniosamente, como foi o dia da criança, não menosprezando o que ela contar, ela vai ficar “saciada” e já não vai necessitar de fazer tantos disparates só para lhe chamar a atenção, nem de estar sempre a chamá-la;

  • O Abraço é Tão Importante Como a Repreensão – Nem 8 nem 80. O carinho constrói na criança o mesmo que uma repreensão (ainda que sem dramatismos e no momento certo!), a sua autoestima, autoaceitação e traços específicos da sua personalidade. De qualquer forma, a agressividade está fora de questão e a “palmada” também se deve evitar porque o que se pretende é “criar” respeito, não é medo nem dor;
  • Cumpra o Que Promete – De forma a “cultivar” sentimentos de segurança e de confiança na criança tente cumprir sempre o que diz. Seja para a promessa do lado do “bom” como para a do lado “menos bom”. Quando não cumpre aquilo que diz, o seu filho, inconscientemente, tende a perder confiança em si e nele próprio;
  • Começar a Atuar Já – Comece, de preferência, pelo ponto 1 deste artigo! E nada de desistir, porque você é, mesmo, uma “Deusa”!

 

16 Comentários
  1. Grata por mais um texto que tão bem retrata a realidade. Apesar de ser mãe há poucos meses…o facto de ser mulher por si só já carregava as multitarefas e agora cada vez mais…! Não vou esquecer a importância de parar e focar me em cada uma delas … prometo tentar…! Parabéns pelo artigo!

  2. Obrigada pelo texto Vanda! Muitas vezes esquecemos-nos de lembrar de nós, realmente sem cuidar de nós próprios não conseguimos cuidar de mais ninguém… mas é fácil esquecer… deixar para último… 😬

  3. Este texto caiu que nem uma luva no meu dia…. Exausta, é a palavra que me define… Desde que fui mãe pela quarta vez há seis meses e meio, a minha vida sofreu um turbilhão de emoções e reviravoltas. Obrigada pelo texto, adequadissimo a mães como eu, no limite do desespero de não conseguir dormir, essencialmente e de chegar a todo o lado…

  4. É totalmente verdade, queremos fazer tudo porquê amamos de mais aquele ser que durante 9meses só nós protegia-mos. Eu tento não ser demasiado protectora, mas não é fácil…
    Obrigada por todas as dicas.
    Felicidades a todas as Mães dignas desse nome, pois infelizmente há mulheres que deviam ter nascido estéreis que a palavra mãe não se aplica…

  5. Parabéns, Vanda, por esta mensagem tão “cheia”…
    Cheia de conteúdo, de informação, de entrega e de partilha, como só tu sabes tão bem exprimir e fazer compreender a quem te lê ( tens a quem sair assim.. esse coração de ouro, é teu.. mas lá estão bem demarcados os ensinamentos de uma grande mulher, de uma lutadora e de uma vencedora, que foi e é a tua mãe, uma Senhora que admirei desde o primeiro minuto que conheci e, que também foi daquelas pessoas que passaram pela minha vida, e a marcaram para sempre, Gratidão à D. Hortense Nascimento). Muito obrigada por esta partilha. Beijinho Grande, Vanda 😘

  6. Muito bom este artigo, até parece fácil de fazer mas não é e aconselho a o levarem a sério. Infelizmente eu sou a prova viva do que pode acontecer se nos esquecemos de nós próprias! Aconselho todas a seguirem estás indicações pois remediar é muuuuiiiitooooooo mais difícil que prevenir! Só espero ainda ir a tempo… Bjinhos e continuação de um bom trabalho.

  7. Excelentes concelhos, para uma mulher tão ocupada que muitas vezes precisa de ler artigos como este para parar e pensar! Pensar que não se pode esquecer de se cuidar, de se amar, de se presentear!! Afinal quem habita em nós somos nós e mais ninguém!!

  8. Muito bom, … “É que, quer queira ou não queira, só conseguirá ser “boa mãe” se estiver bem”, esta frase diz tudo!. beijinho grande Vanda

  9. Muitos parabéns pelo artigo!
    Sou mãe de apenas uma pré -adolescente e realmente não é fácil chegarmos a todo o lado e fazê-lo bem, deixando-nos por vezes uma certa frustração (mesmo que não exteriorizada)…
    Soube bem ler este texto e perceber que é preciso pedir ajuda e repartir tarefas…
    Já tento aplicar alguns dos pontos referidos no meu dia a dia e vou continuar a fazê-lo! !
    Obrigada e continue 😊

  10. Muito grata por este texto tão rico. Revejo me em cada linha, nós mães, realmente temos de cuidar e olhar mais para nós, para podermos estar bem para os nossos mais que tudo.
    Porque pais felizes, crianças felizes 😊
    Um grande beijinho Vanda Nascimento 😉

  11. Excelente texto! Vou ser mãe daqui a uns meses pela primeira vez. Queremos ser mães maravilhosas e sem nos apercebermos mesmo no período de gestação, passamos para segundo plano. Devemos procurar o equilíbrio, porque afinal…somos uma equipa! Obrigada pelas dicas.

Deixe uma resposta

O teu endereço de email não será publicado.