Fuck Buddy: Todo o Prazer Com Zero Emoções?

Amigos. Amigos com alguma cor. Ou simplesmente conhecidos com… benesses.  Como definir este conceito? O nível de pertinência desta questão assume proporções (no mínimo) elevadas.

O foco é, tão-somente, a negação do tão temível e apavorante compromisso – uma noção que causa alguma urticária em muitos dos comuns mortais.

A bem da verdade, e já que tudo na vida é uma dualidade, podemos encontrar e eleger duas posturas frequentes em matéria de definições de relacionamentos: primeiro, encontramos os seres da velha-guarda, para quem a tradição de um amor à antiga tem valor; depois, as mentes de vanguarda, para quem tudo é simples e onde não há a necessidade de complicar o que é fácil.

Existe quem confunda os ditos “amigos com benefícios” com os “fuck buddies”, mas há também quem os distinga, afirmando que a diferença entre um conceito e o outro é comparável entre aquilo que distingue um aluguer de uma casa e uma estadia num hotel aleatório, respetivamente. Confuso? Não tanto quanto possa parecer. Teoricamente, enquanto no primeiro caso existe uma preocupação com alguém que faz parte da nossa vida de um modo afetivo (ao mesmo tempo em que se mantém uma relação mais íntima), no segundo descarta-se o peso da responsabilidade e das obrigações, atribuindo total importância ao prazer.

A eterna incerteza permanece, numa espiral sem fim. Será que uma relação entre “amigos com benefícios” pode deitar por terra a amizade construída? Até onde pode ir a inibição do sentir e o castrar da emoção? Ou, por outra, seremos nós capazes de controlar esse turbilhão de sentimentos? E a fidelidade, pode marcar território aqui?

Não existem respostas concretas nem verdades absolutas (nem regras que sirvam a todos). Existe sim a ideia clara e transversal de que temos de ser felizes com as escolhas que fazemos. A variável que detém maior força neste campo é aquilo a que na nossa vida damos prioridade. O que é prioritário para si?

Conte-nos a sua história, caso já tenha vivenciado (ou se encontre a viver) uma destas situações  com S grande, se é que nos entende.

Lembre-se de ser honesta, consigo e com os outros. Com ou sem fuck buddy… funciona sempre.

Ainda Sem Comentários

Deixe uma resposta

O teu endereço de email não será publicado.