6 Erros “Saudáveis”

Selecionar os alimentos que fazem bem ao nosso corpo e à nossa mente pode ser um verdadeiro desafio. Isto porque, hoje em dia, muitas das grandes superfícies detêm o objetivo de vender os seus produtos, quer sejam eles saudáveis ou não.

Num mundo perfeito, todos os alimentos deveriam conter os nutrientes necessários de forma a manter o equilíbrio perfeito para o nosso organismo. Como tal não faz parte da realidade, apresentamos-lhe o top 6 mais comum de erros que tendemos a cometer na compra de alimentos:

1. Confundir alimentos sem glúten como algo saudável.

Para a maioria das pessoas, o tema glúten ainda é um tema que deixa algumas dúvidas. Mas o glúten não é nada mais, nada menos, do que uma simples proteína que é encontrada nos vários tipos de cereais, incluindo o trigo, o centeio e a cevada. Esta é a substância que dá a textura ao pão. O glúten não é tecnicamente prejudicial à saúde, a menos que a pessoa seja celíaca ou tenha alguma sensibilidade ao glúten. O facto de o rótulo da embalagem referenciar ‘sem glúten’ não significa que seja, de todo, saudável. O que acontece é que muitos dos alimentos de supermercado são processados e contêm mais açúcar, numa tentativa de melhorar o sabor e textura do produto. Por isso, muita atenção neste ponto.

2. Barras energéticas processadas.

A maioria das barras energéticas ou barras de proteína são, na verdade, disfarçadas como barras de chocolate. Uma vez que andamos sempre em modo correria, procuramos opções de lanche mais saudáveis, rápidas e fáceis de consumir depois de um treino. Hoje em dia, em qualquer loja de produtos saudáveis encontram-se toneladas de barras deliciosas. O segredo é ser extremamente seletiva na sua escolha. Em primeiro lugar, verificar a quantidade de açúcar que a barra contém. Se a barra tiver mais de 12 gramas de açúcar por porção, deixe-a na prateleira. E, além disso, certifique-se de que a mesma não contém adoçantes artificiais, como a sucralose, aspartame, sacarina ou enchimentos isolados.

3. Sumo de fruta.

A fruta é saudável, portanto sumo de fruta também o é, certo? Não, não obrigatoriamente. A maioria dos sumo de fruta são nada mais do que água com açúcar. Muitas das lojas vendem este produto carregado de açúcar. E por mais irrealista que isto possa ser, muitos dos sumos de fruta nem sequer contêm sumo a 100%. O açúcar provoca inflamação ao corpo e às células, que é a via de quase todas as doenças. A menos que sejam espremidos na hora, evite estes sumos.

4. Usar néctar de agave como alternativa ao açúcar.

Nos últimos anos, o agave tornou-se uma alternativa bem famosa ao açúcar natural. No entanto, o que a maioria das pessoas não sabe é que este é carregado de frutose (açúcar da fruta). Embora seja de baixo índice glicémico, que mede os efeitos sobre o açúcar no sangue, as novas pesquisas sugerem que a frutose em excesso pode prejudicar a função hepática e adicionar alguma gordura na barriga de forma indesejada. As melhores alternativas naturais incluem stevia, frutas monge e néctar de coco. Todos os adoçantes, naturais ou não, devem ser usados com alguma moderação.

5. Produtos orgânicos processados.

Se é orgânico, logo é saudável, certo? Este é mais um dos grandes erros de saúde que as pessoas cometem. Os alimentos orgânicos, alimentos cultivados sem o uso de produtos químicos perigosos, a modificação genética, ou o processo de preservação da irradiação é muito melhor do que os alimentos cultivados convencionalmente, mas isso não significa que todos os produtos rotulados como orgânicos sejam os mais saudáveis. Por isso, a melhor forma é optar pelos alimentos de uma planta e não pelos feitos numa planta, independentemente de ser rotulado como orgânico.

6. Evitar a gordura.

Com todas as campanhas publicitárias de combate à gordura, muitas pessoas ainda temem esta palavra. A verdade é que dois terços do nosso cérebro é feito de gordura que serve para produzir as células cerebrais. Os alimentos que são ricos em boas gorduras, como é o caso do ómega 3, e os que são ricos em antioxidantes, vitaminas e minerais são anti-inflamatórios que não só servem para proteger o cérebro de doenças, como ajudam também a aumentar a capacidade cognitiva, como a compreensão, a aprendizagem e a capacidade de concentração. A gordura também é importante para manter o cabelo saudável, bem como a pele e as unhas. Ela não pode ser vista como um inimigo, mas sim como um amigo. As únicas gorduras que devem ser evitadas a todo o custo são as trans, que são encontradas nos alimentos processados. As boas fontes de gordura saudáveis incluem nozes, castanhas, óleo de coco, abacate, salmão selvagem ou gema de ovo. Estas são as fontes disponíveis de gordura que devem ser consumidas numa base semanal para que melhore o desempenho do cérebro e da saúde.

Sim, aliar-se a hábitos saudáveis pode ser um pouco confuso e muitas vezes desafiante. Contudo, agora já não tem desculpas para continuar a manter os mesmos erros quando for às compras. Aposte em escolhas mais conscientes e cuide de si, pois o seu corpo agradece!

Ainda Sem Comentários

Comentários fechados